Cabeça de cuia - A opção inteligente

Publicidade

Publicado em 27/03/2009 às 09h21

Meteorologia prevê chuvas em abril e maio no Piauí

Publicidade

Publicidade

A atual situação oceânica e atmosférica somada à maioria dos resultados de modelos de previsão climática indica que a chuva sobre o Setor Leste Nordeste do Brasil ocorrerá com valores acima ou em torno da média histórica, com uma distribuição de probabilidades de 40% acima, 35% normal e 25% abaixo.

Em relação à estação chuvosa do Semiárido nordestino, da qual ainda restam os meses de abril e maio, mantém-se a previsão de chuva acima da média a normal, feita em fevereiro durante a reunião em Natal. É importante observar a possibilidade de ocorrência de chuva intensa na faixa litorânea do setor Leste nordestino e a característica de variabilidade espacial e temporal com que se comporta a chuva.

Os dados constam do boletim de informações climáticas e previsão de tempo resultante de consenso entre o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme) e núcleos estaduais de meteorologia durante a V Reunião de Análise Climática para o setor Leste do Nordeste brasileiro e foi distribuído em Teresina pela Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar), através da Gerência de Hidrometeorologia.

Em relação ao Piauí, as análises das chuvas foram realizadas somente para regionais administrativas que enviaram dados de precipitações para a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar). As chuvas ocorridas durante o mês de fevereiro de 2009 apresentaram distribuições espacial e temporal flutuando de normal a acima da média, ocorrências de chuvas moderadas a forte foram registradas em grandes partes dos municípios piauienses.

As temperaturas durante este período flutuaram entre as normais climáticas. Não é descartada a possibilidade de ocorrência de fenômenos extremos no Estado. A tendência climática para a segunda quinzena do mês de março e primeira quinzena do mês de abril de 2009 no Piauí aponta para a seguinte tendência: Região Norte: Ocorrências de chuvas entre a média e acima da média histórica. Região Central: Chuvas com irregularidade fluindo entre a normal e acima da climatológica. Região Sul: Chuvas entre a normalidade e com início de declínio para o término do período chuvoso.

Os meteorologistas reuniram-se nas dependências do auditório da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Alagoas, em Maceió, com técnicos dos centros estaduais de meteorologia do Nordeste, Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE), Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), para a elaboração do prognóstico climático para o trimestre abril, maio e junho de 2009 para o setor Leste da Região Nordeste do Brasil (NEB).

As condições oceânicas e atmosféricas atuais mantêm-se semelhantes àquelas diagnosticadas durante a última Reunião de Análise Climática, realizada em fevereiro. Durante aquele mês a Temperatura da Superfície do Mar (TSM) apresentou anomalias negativas em torno de -0,5ºC na área central do Pacífico Equatorial. As TSM assim como a circulação atmosférica são características de um episódio de La Niña (resfriamento das águas no Pacífico Tropical) de fraca intensidade. A maioria das previsões estatísticas e dinâmicas aponta para uma situação de neutralidade até meados deste ano.

No Oceano Atlântico Tropical Norte, observou-se uma grande extensão com anomalias negativas da TSM, que vem se desenvolvendo desde janeiro de 2009. No Atlântico Sul, persiste o predomínio de anomalias positivas, configurando o Dipolo de TSM negativo neste Oceano. A configuração apresentada pelos oceanos poderá contribuir para uma atividade anômala da Zona de Convergência Intertropical mais próxima e frequente da costa Norte do Nordeste, favorecendo assim índices pluviométricos acima da média.

Além disso, as águas mais quentes no Atlântico Sul podem favorecer a intensificação de ondas de Leste, importantes mecanismos causadores de chuva no setor Leste do Nordeste.

Associado às configurações dos Oceanos Pacífico e Atlântico Tropicais, os modelos oceânicos e atmosféricos, dos centros nacionais e internacionais de meteorologia, do CPTEC/INPE, regionais da Funceme, norte-americanos (NCEP, NCAR, COLA e NASA) e europeus (Centro Europeu-ECMWF e Max Planck Institute), estocásticos do INMET, indicam uma tendência de ocorrência de chuvas normais a acima da média sobre o setor Leste do Nordeste do Brasil.

Fonte: Francisco Viana

Enviar por E-mail

Comentários

carregando os comentários...