Cabeça de cuia - A opção inteligente

Publicidade

Publicado em 03/08/2009 às 16h59

Menina de 15 anos já estava morta ao receber atendimento no avião, diz médico

Publicidade

Publicidade

Menina de 15 anos já estava morta ao receber atendimento no avião, diz médico

Foto: Álbum de Família

A adolescente Jacqueline Ruas, de 15 anos, pode ter morrido enquanto dormia e já estava morta ao ser atendida dentro do avião da Copa Airlines, na viagem de volta da Disney, nos Estados Unidos, segundo o médico Aníbal Fenelon Junior. Primeiro a chegar até a poltrona da menina, depois do pedido de ajuda da tripulação do avião da Copa Airlines, o médico disse que a adolescente estava inerte, fria e não respondia a estímulos. Jacqueline morreu durante a viagem de retorno da Disney , nos Estados Unidos. Um exame feito nos Estados Unidos teria descartado gripe suína . A polícia vai apurar se houve negligência . Novos exames foram feitos e o laudo deve sair em 30 dias .

O corpo de Jacqueline foi enterrado no Cemitério das Lágrimas, em São Caetano do Sul, no ABC paulista, na manhã desta segunda-feira. A mãe da adolescente desmaiou no enterro da filha e foi levada para um hospital em companhia do marido.

- Ela estava sem pulso, sem batimento, com a cabeça pendida - contou o oftalmologista.

Fenelon Junior explicou que a menina não chegou a pedir ajuda e que a morte pode ter ocorrido bem antes do pedido de socorro.

- Ela tinha uma secreção na boca, que escorreu para a blusa e que já estava consistente. Não dá para dizer que seja vômito, mas estava lá há mais tempo. A morte ocorreu de madrugada, enquando as pessoas dormiam. A adolescente que estava com ela (Jacqueline) na fileira só percebeu quando começou a movimentação para o café da manhã - afirmou o médico.

Fenelon Junior afirmou que nada mais poderia ser feito no momento em que a aeromoça pediu ajuda de passageiros com conhecimento de primeiros-socorros.

- Se ela ainda estivesse mais quente, se tivesse acabado de ocorrer o mal-estar, talvez houvesse alguma chance de reverter o quadro. Naquele momento, nada mais poderia ser feito - afirmou o médico.

Segundo Fenelon Junior, logo após essa primeira constatação, ele e outro médico, o cirurgião Irineu Rasera Junior, colocaram a menina deitada no chão da aeronave, onde foi feita massagem cardíaca.

- Era o único procedimento possível naquele momento. Como não surtia efeito, os demais adolescentes, que acompanhavam a vítima na excursão, começaram a ficar desesperados, a chorar, e achamos melhor levar a Jacqueline para o fundo da aeronave. Ali, continuamos com as massagens, mas sem resultados. Pedimos uma lanterna à tripulação e constatamos que ela já estava com a pupila dilatada - afirmou o médico.

De acordo com a secretaria de Segurança Pública de São Paulo, caberá à Polícia Federal todas as investigações sobre o caso. O médico disse que soube, pela guia da excursão, que a menina passou por dois médicos nos Estados Unidos, e que teve um exame para o vírus influenza negativo.

- A guia confirmou que ela estava com pneumonia, o que leva a supor que houve um processo infeccioso que levou ao choque séptico - contou o médico.

Fenelon Junior diz que apenas exames laboratoriais vão poder indicar se o quadro foi provocado por uma infecção bacteriana ou por uma virose. Os exames foram realizados no Instituto Médico Legal de Guarulhos, na Grande São Paulo.

O médico voltava de Punta Caña, na República Dominicana, para o Brasil e, durante uma conexão, na Cidade do Panamá, pegou o mesmo voo que a excursão de Jacqueline, que voltava de uma viagem a Orlando, na Flórida. Ele explicou ainda que a morte foi confirmada por volta de 5h, depois que todos os procedimentos de reanimação foram feitos. O avião pousou cerca de uma hora depois. Segundo Fenelon Junior, a tripulação conseguiu acalmar os passageiros e, apesar da comoção, o restante da viagem ocorreu sem tumultos.

Garota pode ter sofrido embolia, diz médico
O médico Marcos Antonio Cyrilo, do Hospital Santa Catarina, afirmou que pacientes com pneumonia, como Jacqueline Ruas, não devem fazer viagens longas de avião por causa do risco de embolia pulmonar.

- Uma viagem longa de avião pode favorecer o aparecimento de coágulos de sangue, que se desprendem dos membros e podem chegar ao pulmão. Uma infecção também pode estar relacionada com a formação de coágulos. Essa jovem tinha dois grandes fatores de risco para um quadro de morte súbita - afirmou o médico.

De acordo com ele, a indicação para pacientes com pneumonia, mesmo medicados, é não fazer longas viagens de avião. Mas, segundo Cyrillo, tudo depende das condições do paciente.

- São as condições do paciente, e não as condições do avião, que determinam se ele pode ou não viajar.

O médico explicou ainda que os remédios encontrados na mala de Jacquline eram antivirais, anti-inflamatórios e antimicrobianos, todos usados no tratamento de problemas respiratórios.

Fonte: Fabiana Parajara, O Globo

Enviar por E-mail

Comentários

carregando os comentários...