Cabeça de cuia - A opção inteligente

Publicidade

Publicado em 10/01/2008 às 09h00

Monstros confessam a chacina da família em Zé Doca -MA

Publicidade

Publicidade

Monstros confessam a chacina da família em Zé Doca -MA

A polícia do município de Zé Doca já sabe o grau de envolvimento de cada um dos quatro acusados da chacina que vitimou oito pessoas de uma família no assentamento Camuru, naquele município, e que causou comoção à população. Tanto os dois adolescentes quanto os adultos participaram das execuções, pois quando se reuniram para cometer o crime já sabiam que teriam de matar as vítimas para não serem reconhecidas. Ainda ontem, eles foram transferidos da delegacia de Santa Inês, onde permaneciam por questão de segurança, para São Luís no helicóptero do Grupo Tático Aéreo (GTA).

Até o fim da tarde de terça-feira, quando foram apreendidos e confessarem ter presenciado o crime bárbaro, os dois adolescentes, ambos de 16 anos, negavam participação efetiva, apontando apenas Luís Teixeira Lima, o Bida, e Arnaldo Costa, o Xibiu, como executores. Mais tarde, porém, com a confissão dos adultos, todo o crime foi esclarecido.

Bida, o mentor do crime, revelou à policia que realmente se reuniu com os comparsas Xibiu e dois menores, dia 6, domingo, para convidá-los para participar de uma “parada”, que seria um assalto à casa de Jonas Lira de Oliveira. Ele ficou sabendo que Jonas Oliveira havia recebido uma certa importância e pensou que se tratasse de R$ 10 mil, como pagamento pela venda de seis cabeças de gado e dois lotes no assentamento, e decidiu ficar com o dinheiro, que seria dividido com os comparsas.

Naquela noite, por volta da 21h, eles foram até as proximidades da casa do lavrador. Xibiu e os menores ficaram no mato, aguardando Bida, que se encarregou de convidar a vítima para caçar tatu.

Golpe na cabeça
Segundo os depoimentos, Jonas Oliveira não chegou a ver nenhum dos acusados, exceto Bida, que o levou pelo mato e aplicou um golpe de enxada em sua cabeça e uma facãozada no pescoço. A vítima ainda teria tentado correr, mas o criminoso o agarrou, esganando-o.

Em seguida, Bida foi até onde estavam os comparsas e chamou Xibiu para lhe ajudar a esconder o corpo no mato. Em seguida, todos foram para a casa da vítima. Dois entraram pelos fundos e o restante pela frente, e arrombando as portas a chutes.

Uma vez no interior do imóvel, o adolescente conhecido como Irmão, anunciou o assalto e deu logo um golpe de cutelo no filtro, espatifando-o, intimidando os moradores. Bida, então, viu uma mulher deitada em um dos quartos e disparou dois tiros de espingarda bate-bucha em sua direção e acabou de assassiná-la a facadas.

Irmão e Xibiu entraram no quarto da frente e o reviraram, mas não encontraram nada. Eudivan Araújo, esposa de Jonas e mãe das crianças, muito nervosa, disse que entregaria o dinheiro a Irmão, que recebeu R$ 1.050,00. Os acusados, porém, não se satisfizeram com aquele valor e, como já haviam programado, passaram a matar todos os que estavam no interior da casa.

Um dos acusados pegou uma das crianças e perguntou quem daria a vida por ela. Eudivan tentou salvar a filha, se oferecendo ao sacrifício. Ela foi morta a facadas e tiros de espingarda. A mulher pedia que não fizessem nada com seus filhos, mas Irmão, o outro adolescente, Bida e Xibiu esfaquearam as crianças até matá-las.

Na divisão do dinheiro, couberam R$ 280,00 para Bida, R$ 70,00 para Xibiu, R$ 200,00 para Irmão e R$ 250,00 para o outro adolescente, segundo relatos deles mesmos, mas a polícia acredita que, na divisão, Bida, que havia planejado o crime, tenha ficado com muito mais. A polícia não conseguiu recuperar todo o dinheiro porque eles o gastaram com bebedeira e drogas.

Fonte: Ana Coaracy -O Estado do Maranhão - IMirante

Enviar por E-mail

Comentários

carregando os comentários...