Cabeça de cuia - A opção inteligente

Publicidade

Publicado em 29/05/2009 às 17h43

22 pessoas morrem por hora no País vítimas do cigarro

Publicidade

Publicidade

Quase 200 mil mortes ocorrem por ano no Brasil devido ao cigarro. São pessoas que perdem, em média, 8 anos de vida, só por terem fumado. Cigarro mata mais que a AIDS, abuso de Álcool e Cocaína, acidentes automobilísticos e suicídios somados. E é por isso que em 1987 a Organização Mundial da Saúde (OMS) instituiu o 31 de maio como o Dia Mundial Sem Tabaco.

No mundo são mais de 1 bilhão e trezentos milhões de fumantes. Pessoas que estão mais expostas a desenvolverem doenças no sistema cardiovascular, câncer do pulmão, de laringe e de boca e impotência sexual. 90% dos pacientes com câncer de pulmão são fumantes. O quadro é tão grave que o tabagismo já sustenta o 4º lugar entre os maiores responsáveis por mortes no planeta, segundo a OMS. Muitas doenças do trato respiratório estão diretamente ligadas ao consumo do tabaco e poderiam ser facilmente evitadas. O fumante, especificamente, pode desenvolver uma grave patologia chamada Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, alerta o pneumologista do Beneficência Portuguesa de São Paulo dr. Ciro Kirchenchtejn “a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica é uma mistura de bronquite crônica e enfisema, e praticamente só existe em fumantes”. O fumo, por conter irritantes que inflamam as vias respiratórias, leva à doença obstrutiva. Os principais sintomas são tosse, produção de catarro e encurtamento da respiração, além de uma limitação gradual aos exercícios.

Se o risco de desenvolver uma doença grave ainda não é suficiente para levar alguém a parar de fumar, vale ressaltar que cerca de sete fumantes passivos morrem por dia, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer. E 24% das crianças, que também são fumantes passivas de alguma forma, estão mais sujeitas aos efeitos nocivos do tabaco.

Largar a dependência é muito difícil, porém o fumante hoje dispõe de diversos tratamentos que podem ajudá-lo a parar de fumar, explica o pneumologista: “Quando a pessoa é muito dependente o uso de medicamento torna-se necessário. O adesivo também funciona. O essencial é o paciente procurar ajuda porque ele pode parar e não voltar a fumar”.

Tabagismo é uma doença e precisa ser tratado como tal. Terapias e remédios são dois pilares básicos para o sucesso do tratamento. Importante mesmo é dar o primeiro passo e o próximo dia 31 de maio é uma ótima oportunidade.
 

Enviar por E-mail

Comentários

carregando os comentários...