Cabeça de cuia - A opção inteligente

Publicidade

Publicado em 07/05/2012 às 14h15

Piscicultores piauienses participarão de oficina sobre Normalização

Publicidade

Publicidade

O Estado do Piauí ainda sofre com a ausência de normas de produção na área da pesca. Pensando nisso, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Sebrae no Piauí, em parceria com a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, e com o Instituto Nacional de Metrologia e Qualidade, Inmetro, realizará quinta-feira (10) uma oficina sobre Normalização da Piscicultura.

O evento, que será realizado a partir das 8h30 em Teresina, tem como objetivo reunir informações acerca do sistema e dos métodos de produção do setor, além de normalizar a atividade aquícola junto aos micro e pequenos produtores de pescado do Piauí, principalmente os criadores de tambaqui.

A oficina tem como público alvo piscicultores da capital e interior do Estado, técnicos e consultores do Sebrae e associações.

Durante a oficina serão expostas as razões para a utilização das normas nas fazendas de pescado como melhoria dos produtos e serviços; atração de novos consumidores; aumento da margem de competitividade; agregação de confiança ao negócio; diminuição da possibilidade de erros; redução dos custos do negócio; tornar os produtos compatíveis; atender a regulamentos técnicos; facilidade de exportação dos produtos e aumento das chances de sucesso.

“O Sebrae, através do seu projeto de aqüicultura, estimula a normalização mostrando aos produtores todos os seus benéficos. Durante esse encontro será feita a sensibilização juntos aos piscicultores do nosso Estado para a utilização das normas. Através do uso destas ferramentas como, por exemplo, a certificação, o piscicultor poderá agregar valor à produção” afirma o gestor do Projeto de Piscicultura do Sebrae no Piauí, João Pinheiro Júnior.

A palestra sobre o Processo de Normalização será proferida pelo técnico e engenheiro da ABNT, Eduardo Silva Lima.

Durante a oficina também serão realizados grupos de trabalho com a participação de representantes do Departamento Nacional de Obras Contras as Secas, Dnocs; Agência de Defesa Agropecuária do Piauí, Adapi; Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba, Codevasf; Ministério da Aqüicultura e Pesca, Mapa; Ministério da Agricultura; Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, Senar; e Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, SDR.

Antes da oficina serão realizadas visitas técnicas a três fazendas de pescado do Estado. Durante estas visitas serão aplicados questionários e listas de verificação baseadas em compilações de normas internacionais, além de referenciais e legislação brasileira.

As visitas serão realizadas pela médica veterinária, doutora em Ciência de Alimentos pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e pesquisadora do departamento de qualidade do Inmetro, Alessandra Weyandt.

“A aplicação destes questionários tem como objetivo principal identificar os fatores de sucesso, além de reunir informações que possam subsidiar a construção de um referencial no Estado. Os resultados encontrados durante as visitas serão discutidos durante a oficina”, destaca João Pinheiro.

Ainda de acordo com o gestor do Projeto de Piscicultura do Sebrae no Piauí, vale a pena investir na produção de pescado no estado, pois o segmento possui um retorno rápido . Ele explica que num só hectare de terra é possível produzir cerca de quinze mil quilos de peixe por ano.

“O número de empreendedores desistentes deste tipo de negócio é praticamente zero porque o lucro não é demorado. Por isso que é rentável se fazer investimentos na área, como em novas tecnologias e normalização. No estado, 80% dos produtores têm ampliando suas unidades de produção, que variam de 2 a 20 hectares. O Piauí é responsável pela produção de 20% de todo o peixe consumido no país e se os investimentos continuarem, os números tendem a crescer cada vez mais” comenta o gestor.

Provas do crescimento da produção é que a só a Associação Piauiense de Piscicultores, APP, uma das entidades atendidas pelo Projeto de Piscicultura do Sebrae no Piauí, fornecem ao mercado cerca de mil toneladas de tilápias e tambaquis por ano. Toda essa produção gera recursos da ordem de R$ 5 milhões.

Maiores informações na Unidade Atendimento Coletivo Agronegócios do Sebrae no Piauí, localizada no 1º andar do prédio da instituição em Teresina, na Av. Campos Sales, nº 1046, Centro, ou pelo telefone (86) 3216-1388.

Fonte: Emanuela Pinto e Antônia Pessoa / Sebrae

Enviar por E-mail

Comentários

carregando os comentários...